Loading…
CATHODE PROTECTION

Em Estruturas de Concreto

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

CORROSÃO EM CONCRETO | PROTEÇÃO CATÓDICA EM ESTRUTURAS DE CONCRETO

Utilização de Anodos Galvânicos para a Proteção Contra a Corrosão de Ferragens de Reforço de Estruturas de Concreto

O concreto enquanto novo e em bom estado possui pH elevado e alta resistividade elétrica. Essas características conferem excelente proteção contra a corrosão para as ferragens de reforço nele embutidas. Com o passar do tempo o concreto pode absorver água, CO2, cloretos e outros poluentes. Essa contaminação reduz o pH e a resistividade elétrica do concreto. Quando isso acontece o concreto se transforma em um excelente eletrólito, permitindo o funcionamento das pilhas de corrosão.

A absorção de água e cloretos diminui a resistividade elétrica do concreto permitindo que as pilhas de corrosão funcionem com facilidade.

A absorção de CO2 provoca a carbonatação do concreto, reduzindo o pH e despassivando o aço:

Ca(OH)2 + CO2 (pH>12) => CaCO3 + H2O (pH<9)

O produto de corrosão formado ocupa um volume muito maior que a massa de ferragem corroída. O concreto estoura, permitindo a entrada de mais água, cloretos, CO2 e poluentes, alimentando o processo de corrosão.

Como solução para proteger as ferragens contra a corrosão utilizamos anodos  galvânicos especiais,  fabricados com a tecnologia desenvolvida pela Vector Corrosion Technologies (www.vector-corrosion.com), empresa que representamos no Brasil. Os anodos Vector são fabricados com zinco de alto potencial e encapsulados com argamassa especial para mantê-los permanente ativados dentro do concreto.

O núcleo de cada anodo é fundido com uma alma de arame recozido, para permitir que sejam amarrados nas ferragens com facilidade. Estes anodos podem ser fabricados em vários tipos, formatos e tamanhos, dependendo da aplicação.

Os anodos podem ser instalados em três situações diferentes:

1) Em estruturas novas, durante a construção e antes da concretagem;

2) Durante os trabalhos de recuperação estrutural, com as ferragens aparentes;

3) Com a estrutura em operação (sem a necessidade das ferragens estarem aparentes).

Exemplo de instalação em estruturas novas (durante a construção e antes da concretagem):

Exemplos de instalação durante as atividades de reparo estrutural (com as ferragens aparentes):

Exemplos de instalação em estruturas em operação (sem a necessidade das ferragens estarem aparentes):

A análise dos potencias são importantes para avaliar o estado de corrosão das ferragens, de acordo com a Norma ASTM C876-15 (Standard test method for corrosion potentials uncoalted reinforced steel in concrete).

1) Potencial mais negativo que -350mV (corrosão ativa)

2) Potencial entre -350mV e -200mV (corrosão moderada)

3) Potencial menos negativo que -200mV (ausência de corrosão – aço passivado)

Além da Norma ASTM C 876-15, as seguintes normas são utilizadas para a aplicação de proteção catódica em estruturas de concreto:

Norma ISO12696:2016
(Cathodic Protection of Steel in Concrete)

Standard Nace SP0187-2017
(Design for Corrosion Control of Reinforcing Steel in Concrete)

Standard Nace SP0112-2017
(Corrosion Management of Atmosferic Exposed Reinforced Concrete Structures)

Standard Nace SP0290-2007
(Impressed Current Cathodic Protection of Reinforcing Steel in Atmosfhericaly Exposed Concrete Structures)

Standard Nace SP0408
(Cathodic Protection of Reinforcing Steel in Buried or Submerged Concrete Structures)

O procedimento adotado pela IEC para o estudo, projeto e instalação de proteção catódica em estruturas de concreto, de acordo com as normas, é o seguinte:

1) Primeira etapa: análise dos desenhos, Inspeção visual, medições dos potenciais das ferragens e demais medições de campo;
2) Segunda etapa: definição da necessidade, dos locais de instalação e tipos dos anodos a serem utilizados;
3) Terceira etapa: projeto de instalação dos anodos;
4) Quarta etapa: fornecimento, instalação e testes dos anodos;
5) Quinta etapa: emissão do Relatório Técnico Final de Execução dos Serviços.